Sociedade


E mais um Natal passou… Tão rápido que mal conseguimos refletir como deveríamos…

E mais um ano se vai… Tão rápido que mal temos tempo de planejar o ano seguinte…

E mais uma vez aquele sentimento de que poderia ter feito mais, de que poderia ter sido melhor…

Mas, ouvindo a música Epitáfio, dos Titãs, percebo que amei muito, arrisquei bastante, errei tanto quanto compliquei, aceitei cada dia mais as pessoas como elas são… A única coisa que realmente me preocupa é algo que eu devia ter feito menos… como diz a música “Devia ter me importado menos, com problemas pequenos”…

E, em 2011, é isso que eu espero de mim e de todas as pessoas que eu amo: Amar muito, arriscar mais, errar e complicar quando permitido e necessário, SEMPRE aceitar as pessoas como elas são… E fazer tudo isso sem se importar com aquilo que não faz diferença!

Feliz Ano Novo!

Thiago Barrionuevo

da nossa pátria amada, chamada Brasil!!!

.

.

Sempre gostei de trabalhar. Sério! Sou novo, mas acredito que tenho uma boa experiência em ambientes corporativos. Tive pelo menos 8 superiores, entre gerentes e coordenadores. Trabalhei em 2 grandes empresas multinacionais e 2 grandes nacionais, além de algumas escolas de inglês. Não vi de tudo, mas já vi muita coisa…

Logo no início, ainda estagiário, meu primeiro gerente fazia questão de ter 1 hora de almoço. Quando almoçávamos mais rápido do que isso, ele lia um livro, navegava na internet, mostrava as fotos da família ou até dormia durante o tempo que restava. Ele dizia que era nosso direito e nos faria bem. Dava conselhos profissionais e pessoais, falava da esposa, das viagens. Dei sorte!

Mas achei que todos seriam como ele…

Quando entrei na área de compras, tinha um gerente alemão. Extremamente pontual e frio. Conversas sobre trabalho, pouco envolvimento pessoal. Era justo, porém. Não exigia que ninguém trabalhasse além do horário apenas porque ele achava que era assim que deveria ser feito, porque assim era bonito ou porque isso mostraria comprometimento. Cobrava apenas resultados!

E assim foi com mais alguns. Inteligentes, exigentes e justos.

Já conheci também aquele que exigia cada vez mais, o que é bom pro desenvolvimento como profissional. Mas tinha um grande problema: Exigia que o trabalho fosse prioridade SEMPRE. Exigia que a família ficasse em segundo plano. Não pensava nos funcionários como pessoas, como pais, mães, maridos, filhos… Eram apenas funcionários que deveriam cumprir seu papel de ser o melhor, o mais comprometido, o que mais trabalha, o que mais merece…

Também conheci aqueles que se preocupam com a vida pessoal. Tornam-se quase amigos, querem saber da sua vida, demonstram interesse e compreensão. E a partir daí, começam a misturar as coisas… Criticam decisões da sua vida pessoal, fazem brincadeiras sobre a vida pessoal durante uma reunião, confundem atitudes tomadas fora da empresa com o comportamento que deve manter dentro dela.

Esse pouco que vivi no mundo corporativo me fez perceber uma coisa: Não é só o dinheiro ou o reconhecimento profissional que mantém uma pessoa motivada e feliz. Isso ajuda, mas imagine você: um profissional reconhecido e com dinheiro, mas sozinho ou sem tempo para a família e amigos. Com a esposa e os filhos em casa, reclamando que você não dá atenção, que não fica em casa. E você acaba percebendo, mais cedo ou mais tarde, que a culpa disso é do seu trabalho.

Ah, mas além de ser reconhecido e bem remunerado, você tem um líder dos bons, que exige e cobra resultados, mas também entende que você tem outros papéis na sociedade (quase utópico, né?). Você então muda. Trabalha, dá resultados, sai no horário e… trânsito! Horas e mais horas do dia perdidas dentro do carro, sozinho, olhando prédios, poluição, carros e mais carros. Motos nos corredores, caminhões e ônibus invadindo sua faixa, acidentes… Você até chega mais cedo em casa. Mas muito estressado. Irritado, lembrando da fechada que levou, do motoqueiro batendo no seu retrovisor e xingando os políticos que nada fazem para melhorar a cidade. Briga com a esposa, mãe, irmã, filhos e vai dormir cansado porque no dia seguinte tem rodízio e, por isso, precisa chegar mais cedo ao trabalho.

Pensando nisso tudo, percebo que tomei uma ótima decisão quando resolvi me mudar para o interior. E, melhor ainda, foi quando recebi uma proposta de trabalho na região. Ando 5 minutos para ir almoçar, olhando um belo gramado, um lago, capivaras, pássaros, céu azul e ar limpo. Ao fim do expediente, saio e em 15 minutos estou em casa, sem trânsito, sem estresse. Chego ainda com o sol lá no alto. Tenho tempo para correr, fazer exercícios, tomar um banho e curtir minha esposa e minha casa, com o sol se pondo.

Não posso dizer ainda com certeza qual é o tipo de gerente que tenho. Independente disso, de uma coisa eu tenho certeza:

Hoje, eu tenho qualidade de vida e não troco isso por nada!

Caminho sem trânsito

Visual no estacionamento

Capivaras livres por todo o terreno da empresa

 


Thiago Barrionuevo

da nossa pátria amada, chamada Brasil!!



Tinha esquecido de como gosto de ler os textos de Carlos Julio. Para quem não conhece, entre em http://www.carlosjulio.com.br/sobre e conheça sua história.

Conheci-o em uma palestra durante a feira da ABTA (Associação Brasileira de TV por Assinatura) em 2009 e passei a ler seus artigos. Depois de um bom tempo sem ler, voltei hoje ao site e li 2 textos que resolvi comentar aqui:

1 – Valor exige pagamento: Confesso que já comprei DVD’s piratas. Filmes, shows e principalmente jogos para PS2. Porém, depois que comecei a dar o devido valor aos filmes e músicas, comecei a comprar somente originais: Qualidade de imagem e som indiscutivelmente superiores. Ou seja, tenho um produto melhor e não contribuo para atividades ilícitas. Consciência limpa!

2 – Por que é bom ser brasileiro: Digo isso nas discussões entre amigos já a algum tempo. Só não enxerga quem não quer. Neste texto, Carlos Julio deixa claro que o Brasil está sim evoluindo, principalmente economicamente.

E quando li o texto acima comecei a desenvolver este post, que simplesmente fluiu.

Eu sempre disse aqui o quanto sou orgulhoso de ser brasileiro. Pela beleza natural, pela diversidade cultural, pelo espírito alegre do povo, etc.. Porém, o que me preocupa muito no Brasil é a atitude dos brasileiros diante das Eleições. Não tenho partido. Gostei dos governos de FHC e Lula. Concordo que temos poucos candidatos merecedores de votos e mesmo para presidente não temos opções confiáveis.

Mas votar em pessoas que nem propostas ou objetivos têm? Qual o sentido? Protesto? Atestado de burrice? Votar em Tiririca, Kiko (KLB), mulheres de diversos sabores e mais alguns candidatos, no mínimo “exóticos”, existentes por aí, é a prova de que grande parte dos brasileiros não estão preocupados em lutar por um país melhor… Votam por obrigação e sem coerência. Não analisam as conseqüências e tornam o ato de votar em uma coisa banal, sem sentido!

Alguns dizem que o problema começa quando permitem que qualquer um possa se candidatar. Poderíamos discutir horas e horas sobre o assunto, propor uma lista de requisitos básicos para se tornar um candidato, exigir ficha limpa, proibir analfabetos, etc, etc, etc. Mas essa é a nossa realidade atual, nossa democracia. Se eu ou você, leitor, quisermos nos candidatar, temos esse direito… Então, basta não votar nestas figuras entranhas e inúteis que têm a coragem de se candidatar e envergonhar o país!

O Brasil precisa continuar evoluindo. Mas para isso, o brasileiro precisa fazer sua parte. Ao menos, votem de forma consciente.

Não é exigir muito!

 

Thiago Barrionuevo

da nossa pátria amada, chamada Brasil!!!

.

.

Gostaria de registrar aqui o início de um projeto conjunto entre @mandybertoni (Intelecto Digital), @cinemaedebate (Cinema e Debate) e eu, @Thi_Barrionuevo. Criamos o @IlhadeLost (Ilha de Lost) com o objetivo de abrir um espaço para boas discussões sobre diversos assuntos, sempre com vários pontos de vista. O nome faz referência à uma das melhores séries de todos os tempos, que marcou a nossa geração com mistérios, suspense e muita inteligência. Apesar disso, é preciso ressaltar que o blog não foi criado para discutir a série.
É importante dizer também que os leitores são o que há de mais importante neste espaço, portanto, comecem a fazer sua parte: Comentem, discutam e nos ajude a transformar o Ilha de Lost numa opção inteligente de leitura e debate. Mãos à obra e sigam-nos em @IlhadeLost
!

Até mais!

Thiago Barrionuevo

da nossa pátria amada, chamada Brasil!!!


Resolvi postar isso hoje porque tenho um sério problema e um dilema difícil…

Queria que fosse simples… queria gostar apenas de uma coisa… ou pelo menos, gostar bem mais de uma coisa do que de outra (Como é o caso da Mandinha, com seu gosto por leitura ou do Beto, com sua dedicação ao cinema)

Papo de louco? Pode ser, mas vejam só:

Eu gosto de ler, assim como gosto de assistir seriados, filmes, a copa (óbvio), jogar vídeo game, jogos pelo computador, ouvir música, correr, me exercitar, cantar e adoraria aprender a tocar algum instrumento (violão primeiro)…

O pior é que eu ainda não soube distinguir exatamente qual destas atividades me dá mais prazer… E assim, meus dias são recheados por um enorme sentimento de dúvida:

Acordo e me pergunto: O que fazer agora?

E cada vez que me pergunto isso, uma enxurrada de idéias, de possibilidades vêm na minha cabeça… é quase um Brainstorming com uma pessoa só, se é que me entendem… Bom, começo normalmente pela televisão…. zapeio pelos canais, gravações e decido não assistir nada… Aí ligo o computador e vídeo game ao mesmo tempo, outro problema: Que jogo colocar?? Futebol, aventura, guerra? Decido desligar o vídeo game e ler… Leio um pouco, saio desse mundo, mas logo sou chamado de volta pelo barulhinho característico de emails chegando… Fecho o livro, vejo e-mails, deixo alguns tweets, olho o blog, entro no Google e digito “Violão Brasil”, pra ver se acho uma loja que venda violões com algum desenho da bandeira… Vejo alguns, mas nada que me agrade… Vejo que existem cursos, mas não vou comprar o violão agora… Desisto e me pergunto: e agora? O que fazer? A lista passa de novo pela minha cabeça, mais um solitário Toró de parpite (Brainstorming em mineiro)…

Decido colocar Winning Eleven, mas antes de começar, sou tomado pelo pensamento triste de que, se não fosse pelo joelho, jogaria o futebol real, na quadra, faria gols, evitaria gols, já que sou goleiro… Começo triste, mas depois de alguns jogos ouvindo música (de tudo que é tipo: MPB, rock, pop, nacional, internacional, samba, pagode) a tristeza some… E nas oitavas de final, Luis Fabiano perde o pênalti e o Brasil é eliminado da Copa… Uma revolta infantil e gostosa com o vídeo game, me faz desligar o aparelho e voltar a pensar: O que eu faço agora?

E tudo começa novamente…

E assim vai mais um dia das minhas férias… cheio de decisões, indecisões, dilemas… E sabe o que eu acho disso??? Eu acho isso Ótimo!!

Porque, qualquer que seja a minha decisão, eu estarei bem, porque tenho uma quantidade ilimitada de coisas que me fazem feliz… O dia foi de diversão (jogos, música), de novos conhecimentos (Livro, internet), de planejamento para o futuro (aulas de violão) e de visitas ao passado (Como eu jogava bem futebol…).

E então, chega a noite… E aí, não tem mais indecisão ou dilema… Penso numa única “coisa”:

Minha alma gêmea vai chegar e preparar um jantar gostoso… Minha noite é só dela, e só pra nós dois!

Por enquanto….

Porque um dos planos para o futuro, é fazer um garotão ou uma garotinha, bem brasileiros,  pra me ajudar a decidir o que fazer durante os 30 dias de férias…

Thiago Barrionuevo

da nossa pátria amada, chamada Brasil!!!



Andando pelas ruas nesta época o que mais vemos são bandeiras do Brasil… No carro, nas casas, nas unhas, nos rostos… Mas, por que isso só acontece durante a Copa? A seleção brasileira de futebol é o único motivo que temos para nos orguhar do nosso país?

Eu acho, ou melhor, eu tenho certeza que não… que temos muito mais motivos para nos orgulhar do Brasil e mostrarmos mais a linda bandeira verde e amarela que temos… O que eu penso que acontece é que brasileiro adora reclamar e destacar os pontos negativos em vez de perceber e mostrar as coisas positivas que temos… Se apegam ao fato de Lula não ter estudo mas esquecem que ele fortaleceu a economia brasileira, por exemplo.

E algo mais, uma falta de atitude que considero extremamente infantil: Muitos brasileiros sentem orgulho, querem mostrar isso mas sofrem de um mal chamado “Vergonha”. E não é vergonha do país não. É vergonha de mostrar que não concorda com a massa reclamante. Vergonha de dizer “Eu não concordo, eu sinto orgulho do Brasil, eu amo o meu país!”. Vergonha de dizer isso, de se mostrar diferente e sofrer as consequências disso.

E é por isso que eu escrevo isto aqui… pra mostrar que sinto orgulho do meu país e pedir que aqueles que sentem o mesmo, deixem aqui comentários, mostrem isso àqueles pessimistas e seletivos que só enxergam aquilo que é ruim e fecha os olhos para as coisas boas do nosso Brasil, e que, após o término da Copa, mantenham a bandeira exposta, sustentem o orgulho de ser brasileiro e seja diferente da maioria…

Quem sabe assim este sentimento de que “estamos no mesmo barco”, comum em dias de jogo do Brasil, comum durante a Copa, perdure e as pessoas tratem uns aos outros como brasileiros, amigos e companheiros e a solidariedade seja maior que a competitividade diária, que aquele jeitinho de brasileiro de querer levar vantagem sempre…

É para este sentimento, esta união que o esporte traz, que eu sempre torço e espero que continue após cada Copa.

Abraço!

Brasil

Thiago Barrionuevo

da nossa pátria amada, chamada Brasil!!!



Assistindo Band of Brothers fiquei curioso com a hierarquia das patentes do exército e com as definições, por exemplo, do que é um Batalhão, uma Companhia, a artilharia ou a infantaria…

Então, fiz uma pesquisa rápida e divido com vocês aqui no Brasil Inteligente…

Definições:

Seção

Grupo de 6 a 12 soldados

Pelotão

Grupo de 16 a 36 soldados

As armas

São as subdivisões básicas da tropa do Exército. As que atuam diretamente em combates são a cavalaria, a infantaria e a artilharia

Cavalaria

O nome remete aos cavalos, usados pelas tropas até o século 19. Hoje, a cavalaria é composta por tanques e carros blindados com grande potência de fogo

Infantaria

É a arma composta pelos soldados que combatem a pé, usando de simples fuzis a mísseis de última geração

Artilharia

É a área responsável pela operação de canhões, obuses (uma espécie de morteiro de guerra), foguetes e mísseis

Esquadrão

Grupo de 3 pelotões (48 a 108 soldados)

Companhia

Grupo de 3 pelotões (48 a 108 soldados)

Bateria

Grupo de 3 pelotões (48 a 108 soldados)

Regimento

Grupo de 3 esquadrões (144 a 324 soldados). Ocupa um quartel

Batalhão

Grupo de 3 ou mais companhias (144 a 324 soldados). Ocupa um quartel

Grupo de Artilharia

Grupo de 3 baterias (144 a 324 soldados). Ocupa um quartel

Bridaga

Grupo que reúne regimentos, batalhões e grupos de artilharia (cerca de 3 mil soldados)

Divisão

Grupo de 2 a 5 brigadas (cerca de 10 mil soldados)

Região Militar

Grupo de uma ou mais divisões: É o centro de controle que coordena a proteção das fronteiras do território, a mobilização das tropas, o transporte de suprimentos e toda a administração dos quartéis. Há 12 regiões militares no Brasil – a maioria ocupa mais de um estado

Comando Militar

Grupo de uma ou mais regiões militares: É o centro de onde se supervisionam as missões da tropa. Nas suas atribuições estão o planejamento das ações do Exército e o preparo dos soldados de sua área. No Brasil, há sete comandos militares

Exército brasileiro

Conjunto dos 7 comandos operacionais – ou seja, todas as tropas do país!

Hierarquia:

Soldado

Taifeiro

Cabo (nenhum dos três exerce função de comando)

Terceiro-sargento

Segundo-sargento

Primeiro-sargento (cuida de tarefas administrativas)

Subtenente

Aspirante

Segundo-tenente

Primeiro-tenente

Capitão

Major (comanda companhias, esquadrões e baterias de elite, subordinadas diretamente ao comando militar)

Tenente-coronel

Coronel

General-de-brigada

General-de-divisão

General-de-divisão

General-de-exército

General-de-exército escolhido pelo Presidente da República

Logicamente no exército americano as coisas são diferentes. Resolvi traçar um paralelo entre as duas hierarquias e consegui isso num fórm já existente do Yahoo Perguntas. Segue abaixo os nomes originais e as traduções:

Private – SOLDADO

Private First Class – SOLDADO DE PRIMEIRA CLASSE (só na FAB e na Marinha existem estas subdivisões)

Corporal – CABO

Sergeant – 3° SARGENTO

Staff Sergeant – 2°. SARGENTO

Sergeant First Class – 1°. SARGENTO

Master Sergeant – NÃO TEMOS EQUIVALENCIA no EXÉRCITO

Sergeant Major – SUBTENENTE

Second Lieutenant – SEGUNDO TENENTE

First Lieutenant – PRIMEIRO TENENTE

Captain – CAPITÃO

Major – MAJOR

Lieutenant Colonel – TENENTE CORONEL

Colonel – CORONEL

Brigadier General – GENERAL DE BRIGADA

Major General – não há correlação

Lieutenant General – não há correlação

General of Division – GENERAL DE DIVISÃO

General of the Army – GENERAL DE EXÉRCITO

Fontes:

http://mundoestranho.abril.com.br/

Yahoo Perguntas

Brasil

BRASIL INTELIGENTE

da nossa pátria amada, chamada Brasil!!!

.

Próxima Página »